As fases da maternidade


A chegada de um bebê é um dos momentos mais esperados pela família. Principalmente pela mãe que durante a gravidez lidou com altos e baixos, tudo culpa dos hormônios. Ficamos imaginando como vai ser o parto, a recuperação, com quem o bebê se parecerá. Na verdade nem pensamos no que nos espera depois em casa. Só queremos ver seu sorriso, olhar nos seus olhos, acariciar o seu corpinho e admirar tamanha perfeição. No dia a dia nos deparamos com situações difíceis que exigem grande paciência e compreensão. Entender as necessidades do bebê e as nossas também. Onde estava aquela mulher que existia antes do parto? É uma longa busca até encontra-la, mudada pela vida que gerou dentro de si.

Quando eu estava grávida do meu primeiro filho uma amiga me disse que nos momentos complicados era para lembrar de uma só coisa: é uma fase e vai passar. O melhor dos conselhos que recebi foi esse. Ela tinha razão. As noites sem dormir em que eu acordava de hora em hora passaram, as cólicas, as crises (minhas e dos meus filhos) passaram, os dias em que eles só queriam colo 24 horas também passaram. Aquele período intenso do puerpério. As dificuldades iniciais da amamentação. Os palpites alheios. As primeiras febres, os primeiros dentes, as primeiras viroses, o choro descontrolado deles e os meus. Tudo isso passou. Hoje mal me lembro daqueles dias difíceis.

Pensando nisso me dei conta de uma coisa, eles estão crescendo! E assim como as fases ruins que vem e passam o mesmo irá acontecer com as fases boas. Um dia o meu colo não será mais exigido. Não terei uma noite interrompida por um choro em que só cessa com a minha presença. Um dia minha cama voltará a ficar enorme e vou sentir falta daquele corpo pequeno e quente que só dorme com as mãos no meu peito. Terei saudade das gargalhadas contagiante e dos sorrisos que surgem sempre que os nossos olhares se cruzam. Da minha mão sendo guiada pelo corredor. Dos olhares atentos me seguindo por onde quer que eu vá. Dos pequeninos pés descalços que produzem um barulho gostoso toda vez que corre pela casa. Do pedido para sentar ao seu lado e brincar. Daqueles momentos que ficamos juntos apenas observando o mundo ao redor. Dos gritinhos e balbucios me avisando que já é hora de levantar. Do cheiro gostoso de bebê. Da expressão de sapeca testando todos os limites. Já sinto até falta da época que eu não precisava disputar a atenção deles com uma porca. Sentirei falta em ser o monstro do abraço, em ensinar a segurar os talheres, a esfriar a comida ou a segurar um copo de vidro.

Um dia o meu beijo não será a cura para os machucados e os meus braços não aliviarão as quedas. Um dia não precisarei embalar ninguém para dormir. Todos esses momentos mágicos vão passar e um dia a memória ficará fraca para lembrar de cada pequeno e gostoso detalhe desse tempo tão bom e feliz. Um dia eles descobrirão que não sou perfeita e que seus mundos não giram ao redor de mim. Enquanto isso só desejo uma coisa, tempo seja carinhoso e passe devagar.

Obrigada pela visita!

Postar um comentário