Os primeiros meses do Ben em casa

No dia 24 fez dois meses que o Ben veio para casa depois de ficar 75 dias na UTI neonatal. E desde então a rotina, as dificuldades e também as alegrias são muitas e bem diferentes daquelas vividas no hospital. Tenho tanta coisa que quero compartilhar com vocês. Principalmente, referente aos dias em que ficou internado e sobre os cuidados de um bebê prematuro. Tenho certeza que outras mães de UTI podem se beneficiar das informações e até passarem por esse período mais "tranquilas". Quero escrever sobre as coisas que me ajudaram e claro, como está sendo todo esse processo de ser mãe fora do país e longe da família. Tenho pensando em tantas coisas, sobre a vida, sobre as pessoas, a maternidade, os 'métodos de criação' e sobre os filhos. Acontece que tenho um bebê que precisa de atenção quase que 24 horas por dia, vejo que ele já está criando uma rotina mas ainda sim é difícil conseguir um tempo pra mim e quando consigo vou lavar alguma roupa, comer alguma coisa, tomar um banho ou dar atenção para a Pimenta, nossa cachorrinha linda. Admiro as blogueiras mães que conseguem postar todo santo dia. Um dia chego lá, ou não!

Enquanto não organizo a minha bagunça mental e recupero a minha memória que foi embora com o parto, vou contar um pouquinho de como foram esses dois primeiros meses. A felicidade foi enorme no dia em que o buscamos no hospital, fiquei umas duas noites sem dormir direito de tanta ansiedade. A primeira semana com ele em casa foi a mais difícil. E o primeiro mês o mais complicado. Ainda bem que tive a ajuda da minha irmã que veio pra cá ainda em janeiro e ficou até o início desse mês, não sei o que seria de mim se ela não estivesse aqui. Obrigada sister por deixar a sua vida de lado e vir cuidar da minha, não tenho como agradecer.

Foto oficial da família no primeiro dia do Ben em casa. Foto: Mônica Vilasfam.
O amor e o vínculo aumentam a cada dia e já passamos por inúmeras fases: a fase em que eu tinha que acorda-lo para mamar, a que ele acordava a cada 2h, a da chupeta ambulante, onde ficava no peito mamando por umas 2hrs, a fase do refluxo e teve até a fase em que dormiu a noite toda, mas essa durou uma semana, aff. Agora estamos na fase das cólicas. Pensei que por ser prematuro, tomar leite e ter o sistema digestivo trabalhando faz tempo, ele não passaria por essa, mas me enganei. Tem dias que é um chororô que nada resolve. Não tem o que fazer a não ser aguentar, tentar tranquilizar e deixa-lo juntinho de mim. Ontem o Ben acordou as 16h, deu uma leve cochilada lá pelas 20h, mas só dormiu de vez a meia noite e no wrap sling, pois assim ficamos barriga com barriga e o calor ajuda a aliviar as dores.

E no meio de tudo isso tive a certeza do quanto é difícil ser mãe e mais ainda, cuidar de um bebê. Acredito que em algum momento a gente se frustra por querer dar conta de tudo e não conseguir, ou por idealizar esse momento e ver que no dia a dia a realidade é outra. É dura sem plumas e paetês, com muito cansaço e horas sem dormir acumulados, o que inevitavelmente causa irritação, na mãe, no filho e na família inteira. Nessa hora o negócio é respirar fundo, tomar uma ducha se possível e lembrar que é apenas uma fase e que logo logo vai melhorar.

O Ben e eu no primeiro dia dele em casa. Foto: Mônica Vilasfam.
O que me ajudou em determinado momento foi encarar o fato de que o Ben é um bebê que precisa de mim o tempo todo, não apenas por um questão de sobrevivência mas por uma questão de necessidade emocional, principalmente por ter nascido antes do tempo. E a única coisa que eu tenho que fazer é estar a disposição, observar o seu ritmo e aplicar a técnica do "deixar para depois". Deixar para depois: a louça, o banho, a comida, o cachorro, o marido, o blog, os amigos, a vida social, e o mais difícil, me deixar para depois. Quando encarei isso de frente passei a me sentir melhor, a curtir o momento, viver o presente com leveza e agradecer o fato de poder estar com ele durante todo o tempo. Afinal, ele vai ser bebê apenas uma vez na vida. E por isso compartilho abaixo um texto que encontrei e que provavelmente vocês já tenham lido por aí, mas que é sempre bom tê-lo por perto para relembrar o que de fato é importante nessa vida.

“Respira. Serás mãe por toda a vida. Ensine as coisas importantes. As de verdade. A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta, sejam aqueles que você não deu. Diga ao seu filho o quanto você o ama, sempre que pensar nisso. Deixe ele imaginar. Imagine com ele. As paredes podem ser pintadas de novo, as coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe ficam. Muitas vezes você pode lavar os pratos mais tarde. Enquanto você limpa, ele cresce. Ele não precisa de tantos brinquedos. Trabalhe menos e ame mais. Menos presente e mais presença! E, acima de tudo, respira. Serás mãe por toda a vida. Ele será criança só uma vez". Autor desconhecido.

E para as mamães, como foram os primeiros dias com o baby em casa? Conta tudo! Quero saber.

Assim que der, entre uma soneca e outra, volto com mais atualizações.

“Respira. Serás mãe por toda a vida. Ensine as coisas importantes. As de verdade. A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta, sejam aqueles que você não deu. Diga ao seu filho o quanto você o ama, sempre que pensar nisso. Deixe ele imaginar. Imagine com ele. As paredes podem ser pintadas de novo, as coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe ficam. Muitas vezes você pode lavar os pratos mais tarde. Enquanto você limpa, ele cresce. Ele não precisa de tantos brinquedos. Trabalhe menos e ame mais. Menos presente e mais presença! E, acima de tudo, respira. Serás mãe por toda a vida. Ele será criança só uma vez.” (Autor desconhecido) - See more at: http://www.nossasenhoradobrasil.com.br/casadefamilia/a-paciencia-tudo-alcanca#sthash.GBmem5C3.dpuf
“Respira. Serás mãe por toda a vida. Ensine as coisas importantes. As de verdade. A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta, sejam aqueles que você não deu. Diga ao seu filho o quanto você o ama, sempre que pensar nisso. Deixe ele imaginar. Imagine com ele. As paredes podem ser pintadas de novo, as coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe ficam. Muitas vezes você pode lavar os pratos mais tarde. Enquanto você limpa, ele cresce. Ele não precisa de tantos brinquedos. Trabalhe menos e ame mais. Menos presente e mais presença! E, acima de tudo, respira. Serás mãe por toda a vida. Ele será criança só uma vez.” (Autor desconhecido) - See more at: http://www.nossasenhoradobrasil.com.br/casadefamilia/a-paciencia-tudo-alcanca#sthash.GBmem5C3.dpuf
“Respira. Serás mãe por toda a vida. Ensine as coisas importantes. As de verdade. A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta, sejam aqueles que você não deu. Diga ao seu filho o quanto você o ama, sempre que pensar nisso. Deixe ele imaginar. Imagine com ele. As paredes podem ser pintadas de novo, as coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe ficam. Muitas vezes você pode lavar os pratos mais tarde. Enquanto você limpa, ele cresce. Ele não precisa de tantos brinquedos. Trabalhe menos e ame mais. Menos presente e mais presença! E, acima de tudo, respira. Serás mãe por toda a vida. Ele será criança só uma vez.” (Autor desconhecido) - See more at: http://www.nossasenhoradobrasil.com.br/casadefamilia/a-paciencia-tudo-alcanca#sthash.GBmem5C3.dpuf

Obrigada pela visita!

Postar um comentário