Devaneios #3: Pressa pra que?

Na semana passada passada minha irmã me enviou a foto abaixo. Uma mulher com uma expressão de pavor que corre de salto alto segurando um bebe e tentando trocar a sua fralda. O bebê coitado, não entende porque há tanto talco nas suas costas. Foto que por sinal fez parte da campanha publicitária da Diesel em 2008. Já faz faz algum tempo é verdade, mas independente de quando isso foi feito, a verdade é que o que há por trás da imagem continua em alta. Continuamos vivendo assim, a mil, como a modelo da foto.

A campanha, que recebeu o nome de "Live Fast" mostra diversas situações do dia-a-dia, onde as pessoas parecem se equilibrar em uma corda bamba, sobre o tempo e quantidade de coisas que tem para fazer, dentre elas se manter belos e jovens. Num primeiro momento pensei: "O tempo urge. A hora voa e vivemos de forma rápida. Não temos tempo para nada". Não sei qual foi o objetivo da Diesel com essa campanha, e sinceramente nem procurei saber. Não sei se a ideia foi usar a moda para questionar semiótica a forma como estamos vivendo ou quê. Mas de certa forma isso me fez pensar a respeito de algumas coisas. Por que vivemos correndo? Temos pressa de ir para onde? As pessoas tem pressa do que? O que é tão urgente?


Começamos a segunda com pressa de chegar na sexta. Chegamos em outubro desejando que o ano acabe logo. Passamos o inverno ansiosos pelo verão e finalmente, quando chegamos no verão imaginamos aquele friozinho do inverno. Dirigimos rápido porque temos pressa. No restaurante cada um checa o seu celular a toda hora. Em uma roda de amigos os encontros são marcados com antecedência, para garantir lugar na agenda. Enquanto isso, as folhas caem, as flores nascem, as crianças crescem, as pessoas envelhecem, os cachorros morrem e nós nem percebemos. Estamos o tempo todo atrasados. Se não estamos, vivemos com essa sensação. E eu me pergunto qual é o sentido disso tudo.
Quando nos damos conta o ano já se foi e o que resta é a angústia e a sensação de ter perdido alguma coisa, de não ter vivido o bastante. Sentimos saudades de coisas que não vivemos, lugares que não conhecemos e pessoas que já não fazem mais parte da nossa vida. Passamos mais tempo fazendo o que os outros esperam da gente do que o que realmente queremos fazer.
Na agenda apertada falta tempo para tudo, para tudo o que realmente é importante. Falta tempo para conversar com algum estranho, jogar conversa fora com os conhecidos. Falta tempo para brincar com os filhos, para ver aquele filme, ler aquele livro. Falta tempo para não pensar em nada, para observar a vida, as coisas e as pessoas ao seu redor. Falta tempo para sonhar, para viver, para curtir a vida real. Falta tempo até mesmo para respirar. Depois de muito tempo correndo virei adepta do "Slow Life", isso não é algo que se aprende do dia para a noite, ainda tenho muito hábito para mudar, mas prefiro tentar admirar a vida e o presente que ela me dá do que senti-la escorrendo pelos dedos. Afinal temos pressa pra que?

Para encerrar esse #devaneio de hoje, não pensei em outra música que não fosse "Paciência" do Lenine. "Enquanto o tempo. Acelera e pede pressa. Eu me recuso, faço hora vou na valsa. A vida é tão rara".

           

Obrigada pela visita!

Postar um comentário