Quem são os Millers?

Estreou no dia 27 de setembro nas salas de cinema do Brasil, o filme We're the MillersFamília do Bagulho em português e ¿Quién son los Millers? em espanhol (particularmente gostei mais do título em espanhol). Uma boa pedida para quem curte uma comédia leve e inteligente, com direito a cenas da atriz Jennifer Aniston como stripper, mostrando que apesar dos 44 anos está com tudo em cima e continua deixando muito marmanjo babando.

 No filme, David Clark (Jason Sudeikis) é um pequeno distribuidor de maconha cuja clientela inclui a chefes e mães do futebol. Sua vida segue tranqüila até que para ajudar seu vizinho ele se mete em encrenca. Alguns adolescentes roubam os seus pertences e principalmente o seu dinheiro, o deixando com grandes dividas com o seu provedor Brad Gurdlinger (Ed Helms). Para passar uma borracha no ocorrido, não ser morto e seguir com a sua vidinha, David deverá se converter em um traficante de drogas para trazer do México um último envio para Brad. Com a ajuda de seus vizinhos: a stripper Rose O'Reilly (Jennifer Aniston), Kenny (Will Poulter), um adolescente virgem e ingênuo até demais e Casey (Emma Roberts), uma tatuada e rebelde adolescente de rua, David desenha um plano perfeito. Com uma esposa falsa, filhos imaginários e um enorme trailer, os “Miller” se dirigem ao sul da fronteira entre os Estados Unidos e o México na semana de 4 de julho. E é aí que a aventura começa.
Quando se fala em México poucos filmes conseguem mostrar estereótipos dessa cultura sem parecer algo forçado ou pesado demais, principalmente se tratando de comédia. E We're the Millers é um desses filmes. Vivendo nesse país logo reconhecemos situações e pessoas reais que parecem verdadeiros personagens saídos das telinhas. Feito que garante boas risadas, inclusive dos próprios mexicanos que não pareceram ofendidos com as “brincadeiras”. Vale apena prestar atenção na cena do policial, não na segunda parte que é uma comédia, mas no pedido de propina, infelizmente uma realidade vista com frequência por aqui. Mas que apesar de ser algo imoral é retratada de forma cômica, sutil e divertidíssima. Por falar em estereótipos, convivendo quase ao lado dos gringos, como os americanos são chamados por aqui, é inevitável reconhecer os próprios estereótipos americanos encontrados no filme, sem falar no típico turista, que é identificado pelas roupas e adereços comprados na viagem. E apesar de ser um filme legal, com boa dose de riso e um roteiro com ritmo, o mais bacana de assistir a esse filme é poder reconhecer de que forma o cinema pode reunir e brincar com as culturas e imagens de forma tão simples. E, como espectador e viajante reconhecer isso. Ou seja, a forma como uma comédia ou qualquer outro gênero nos faz pensar ou analisar as situações fictícias e a vida real. Coisas que só o cinema faz por você.

       


E para fechar, além dos erros de gravação, o ator Jason Sudeikis e o diretor Rawson Marshall Thumber fizeram uma brincadeira à Aniston.  Ela foi surpreendida pelos seus colegas de elenco que começaram a cantar a música I’ll Be There For You, da banda The Rembrandts, tema de abertura de Friends, durante a gravação de uma das cenas. Segundo Thurber, ela realmente amou a brincadeira. “Ela riu e aplaudiu. Dá pra ver sua reação na câmera. Foi meio que uma risada de má vontade, mas ela levou na esportiva. Depois da cena ela cutucou a mim e ao Jason dizendo: ‘Vocês me pegaram’. A cena não estaria no filme se ela não estivesse contente com isso”. Quer ver essa cena? Acesse o link do youtube:http://www.youtube.com/watch?v=L3q8rf0zNS0

*Texto publicado na minha coluna semanal do site Coisas de Cinema.

Obrigada pela visita!

Postar um comentário