Devaneios #1: Nos trilhos da vida

Algumas vezes nos deparamos com frases e textos que nos fazem refletir, não apenas pelo conteúdo ou pela forma que nos toca, mas por simplesmente resumir sentimentos e inquietações na junção de poucas palavras. Você já se perguntou qual é o melhor lugar do mundo para se viver? 

Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. Mahatma Gandhi.
Quase sempre imaginamos que vivendo em tal cidade ou tal país seriamos mais felizes, nos sentiríamos completos ou realizados. Provavelmente nesse lugar, encontraríamos mais tempo para fazer o que gostamos, trabalharíamos menos, curtiríamos mais a vida além do facebook. Quem sabe até começaríamos aquele curso ou simplesmente a fazer mais exercícios. Que as pessoas seriam mais gentis, amigáveis e que tudo seria perfeito. Assim como a angústia vivida pelo protagonista do filme do Woody Allen "Meia noite em Paris" (2011). Para quem ainda não viu esse filme, aconselho que assistam. É fabuloso e trata justamente dessa inquietação de pensar que a nossa felicidades esta em outro tempo ou lugar.
 
Depois de muito pensar nisso, chego a conclusão de que para onde quer que vamos, as nossas dúvidas, medos e sonhos nos perseguem, afinal, são parte de nós. Pensando sobre isso encontrei uma boa resposta: "Antes de encontrar o melhor lugar do mundo, você deve encontrar a si mesmo, caso contrário, você sempre estará no lugar errado".* Até que faz sentido, não é?


* Frase retirada da coluna de Eugenio Mussak, na revista Vida Simples de dezembro de 2012, "O Terroir de cada um".

Obrigada pela visita!

Postar um comentário