Cuidados com alimentação durante a gravidez

A alimentação merece atenção redobrada durante a gravidez, por isso ela deve ser saudável e o mais natural possível. Já se foi o tempo em que a gestante tinha que comer por dois, atualmente se sabe que o importante não é a quantidade e sim a qualidade do que se consome. A fome aumenta, os enjoos podem dificultar a alimentação que pede mais frutas e vegetais. Esqueça os fast foods e as frituras, afinal que nutrientes eles contém? É isso que você acaba pensando quando está gerando um bebê.

Foto: Claudia Velho
Para sanar algumas dúvidas sobre os cuidados durante a gestação conversei com a nutricionista Juliana Zortéa especialista em nutrição materna e infantil. De acordo com Juliana a alimentação na gestação segue os mesmos princípios da alimentação saudável e as principais recomendações para a futura mamãe são: 

Se alimentar várias vezes ao dia, fazendo no minimo 6 refeições diárias
Evitar ao máximo o consumo de fast food, alimentos gordurosos e frituras
Evitar alimentos enlatados e embutidos (presunto, mortadela, calabresa, bacon, etc)
Usar temperos naturais nas preparações como cebola, alho, sálvia, louro, alecrim, manjericão, entre outros. E não consumir temperos artificiais como caldos de galinha, caldo de carne, mistura de tempero pronto.
Não consumir bebidas alcoólicas
Não fumar
Incluir pelo menos cinco porções entre frutas e verduras ao dia

● Enjoos

Os enjoos aparecem em tono da semana gestacional e raramente se estendem além da 20° semana e cerca de 70% das mulheres relatam náuseas no primeiro trimestre. Mas como lidar com os enjoos e consequentemente uma alimentação pouco variável no primeiro trimestre? Com certeza essa é uma das principais preocupações daquelas que como eu, sofrem e muito com os enjoos. Em algum momento a gente se pega pensando se o bebê não está sendo prejudicado. Segundo a nutricionista as gestantes podem ficar tranquilas pois a natureza é sábia e nesse período a condição nutricional pré gestacional é o que vai ter maior impacto na formação e no desenvolvimento do feto, "O bebê se alimenta das reservas de vitaminas, minerais e energia da mãe e não do que ela está consumindo atualmente. Mesmo que uma mulher passe as 12 primeiras semanas a pão e água (o que é difícil de ocorrer) não há prejuízo para o bebê", afirma. Algumas recomendações podem ajudar a passar a fase dos enjoos.

Fazer pequenas refeições e mais frequentes. No mínimo 6 refeições ao dia.
Dê preferência a alimentos com baixo teor de gorduras e nada de frituras.
Evite alimentos com cheiros e gostos fortes.
Se os enjoos são matinais, consumir 2 ou 3 biscoitos salgados tipo “água e sal” antes de levantar da cama ajuda bastante.
Observe o horário que as náuseas mais aparecem e procure consumir alimentos mais secos nesse período.

●Cuidados com o peso

Na primeira consulta que tive, a ginecologista me disse que de acordo com o meu peso o ideal é engordar de 9 a 12 kg. Até os mês passado eu estava com 1kg de reserva, pois emagreci com os enjoos. Na quinta vou descobrir se já comecei a engordar ou não. Fiquei curiosa em saber porque essa era a orientação da médica e de acordo com Juliana a recomendação de ganho de peso gestacional depende do IMC (índice de massa corporal) pré gestacional, "Uma mulher com sobrepeso terá um ganho de peso menor que uma mulher avaliada com baixo peso para sua altura. Por esse motivo o ganho de peso gestacional pode variar entre 220g até 450g semanais. Lembrando que com acompanhamento médico e nutricional a gestante estará adequando sua alimentação portanto não são realizadas dietas para redução de peso nessa fase mas sim reeducação alimentar para o consumo de somente o necessário para o binômio Mãe-Bebê", recomenda. 
Para uma melhor compreensão desse cálculo a nutricionista cita o exemplo de uma gestante com peso adequado para sua altura e com recomendação de ganho de 12,5kg na gestação. Veja como é dividido esse peso: 

1250g vem do aumento do volume sanguíneo
Mamas em torno de 425g
Placenta em torno de 650g
Líquido amniótico em torno de 800g
Bebê 3300g
Útero 900g
Reserva materna em torno de 5200g
Importante destacar que em uma gestante com sobrepeso o que é reduzido é a reserva de energia, ou seja, seguindo o exemplo citado, os 5220g seriam reduzidos a mais ou menos 2500g. "Mas sempre garantindo uma alimentação saudável e variada para garantir o consumo de nutrientes pelo bebê", lembra Juliana.
 .
● Chocolate e café


A lista de cuidados com alimentação é grande, dentre elas evitar o consumo de determinados alimentos, como o chocolate e o café, minhas paixões. Confesso que deixar o cafezinho de lado foi mais fácil do que pensava, não consigo tomar nem o passado e nem o expresso, os sinto forte e não me agrada o paladar. Esses dias tomei uma xicara de nescafé, com mais açúcar do que café e não senti diferença no gosto. Mas o chocolate por sua vez, é dificil de largar, não sinto a mesma vontade que sentia antes e nem da mesma forma, mas ainda sim me pego comendo um bombom de vez em quando, com um pouco de culpa é claro.


De acordo com Juliana se recomenda o consumo moderado tanto do chocolate quanto do café, porque a cafeína é um estimulante que aumenta o ritmo cardíaco e o metabolismo, o que consequentemente afeta a maneira como o bebê se sente. "Embora esse tipo de estímulo, quando constante, não seja saudável para o feto, breves momentos - como os que se seguem ao consumo de uma xícara de café, por exemplo - não chegam a fazer mal. Para o bebê, a situação é semelhante a quando se corre para pegar um ônibus" diz. Os estudos sobre efeitos adversos a formação do bebê ainda são contraditórios, porém mostram ser interessante restringir a quantidade de cafeína a cerca de 300mg por dia (180ml de café contém 103mg de cafeína), lembrando que outros produtos como refrigerantes, chá preto, chocolate também contém cafeína por isso a recomendação como “moderada” desses itens alimentares.
Para quem está pensando em engravidar a recomendação é simples: comer comida. "Parece óbvio mas essa recomendação significa se alimentar de produtos o mais natural possível, retirar do dia a dia alimentos industrializados como conservas, enlatados, embutidos (presunto, salsicha, calabresa, mortadela, bacon, etc), salgadinhos, biscoitos recheados, fast food. E incluir mais frutas, verduras, grãos integrais, carnes magras, leite, arroz, feijão entre outros". afirma Juliana.
Lembrando que uma alimentação saudável faz com que tudo em nosso corpo funcione melhor. "Consequentemente estaremos mais saudáveis e isso dá uma boa ajuda para quem está tentando engravidar. E claro que é importante manter essa alimentação equilibrada durante a gestação também", completa.

Espero que as futuras mamães tenham gostado se saber mais sobre os cuidados com a alimentação durante a gestação. A Juliana que também é a minha nutricionista e amiga tem um blog onde posta dicas para mães e crianças >> http://julianazorteanutricionista.blogspot.com

Obrigada pela visita!

Postar um comentário